02 de Agosto, 2019

Logística reserva: aberta consulta pública sobre eletrodomésticos

As contribuições para a proposta devem ser enviadas até o dia 30 de agosto. 

A proposta de acordo setorial para implementação de sistema de logística reversa de produtos eletroeletrônicos domésticos está em consulta pública até o próximo dia 30 de agosto, conforme Portaria nº 464/2019 publicada pelo Ministério do Meio Ambiente. A estruturação e a operacionalização do sistema de logística reversa proposto deverá ocorrer no prazo de cinco anos, com a expectativa de se receber e destinar de forma ambientalmente adequada 17%, em peso, dos produtos eletroeletrônicos comercializados no mercado interno.

Os produtos eletroeletrônicos objeto do acordo são os equipamentos de uso próprio ou pessoal, residencial e/ou familiar, exclusivamente por pessoa física, cujo adequado funcionamento depende de correntes elétricas com tensão nominal não superior a 240 volts.

A proposta prevê a implementação do sistema em duas fases. A primeira delas abrangerá, entre outras ações, a adesão das empresas à entidade gestora, a instituição de mecanismo financeiro para assegurar a sustentabilidade econômica do sistema, a aprovação de medidas fiscais de simplificação da operacionalização da logística reversa, com isenção de impostos, e o reconhecimento da não periculosidade dos equipamentos em fim de vida.

A segunda fase consistirá na habilitação de prestadores de serviços para atuar no sistema, na elaboração de plano de comunicação e de educação ambiental não formal, assim como na instalação de pontos de recebimento e/ou de consolidação.

Participação dos municípios

O Artigo 15 do Decreto 7.404/2010 dispôs sobre os sistemas de logística reversa implementados e operacionalizados nos seguintes instrumentos: acordos setoriais, regulamentos expedidos pelo Poder Público; ou termos de compromisso. Já a Lei 12.305/2010 determinou que os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes implantem um sistema de logística reversa, para o retorno dos produtos depois de usados.

A estrutura deve ser independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos. Mas, caso o titular do serviço público de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, por acordo setorial ou termo de compromisso firmado com o setor empresarial, encarregar-se de tais atividades, as ações do poder público devem ser devidamente remuneradas e previamente acordadas entre as partes.

Acesse aqui a proposta do acordo setorial e clique aqui para participar da consulta pública e enviar suas contribuições.

Com informações da CNM

Imagem: Internet

Última modificação em Sexta, 02 Agosto 2019 10:10
Mais nesta categoria:
ASSEMAE © 2020 | Todos os direitos reservados Desenvolvido por Trídia Criação